quarta-feira, 27 de maio de 2009

Tempo...tempo


Diante dessa página em branco tento libertar a poesia que guardo em mim. Tento tirar as grades da prosa aprisionada porque “não tenho tempo”.

Olho para o relógio ali a espreita ao pé da página, implacável. Não há tempo.

Ando com a alma apascentada, o coração feliz, no entanto o tempo me consome e de mim só saem ofícios, relatórios, formulários e releases.

Vou buscar no arquivo da semana passada um poeminha tímido que surgiu numa bela manhã de outono, com o cheiro e as cores das manhãs de maio.

Acordou junto com o sol...
e foi colher o dia.
Anda agora a cultivar auroras.

2 comentários:

Patrícia disse...

Obrigado por acompanhar Paula.Gostei deste cantinho,vou estar sempre espreitando...lindas imagens!
bons pensamentos!Uma optima semana
-Aqui deste lado do atlantico estamos na epoca do calor!
:)

Ana Paula Motta disse...

u agradeço a vista, Patrícia, Gostei muito do seu blog e das dicas de links. Volte sempre.