sábado, 31 de janeiro de 2009

O Sorriso de Lalá...


Hoje pela manhã meu compadre Bruno ligou pra minha comadre e irmã Cecília comunicando o falecimento da nossa querida Tia Lalá.
O enterro vai ser às 17 h no no Cemitério Campo da Paz onde o corpo está sendo velado.
Lalá foi uma das pessoas mais especiais na vida de muita gente que a conheceu.Sua sinceridade acachapante aliada a uma doçura e carinho sem tamanho.
Casa cheia de amigos e mais cheia ainda de crianças,filhas e netas de amigos, a quem ela ensinava a comer caranguejo e feijoada (Lalá cozinhava bem à beça!!).
Lalá e suas piadas e "causos" doidos que adorava contar.
Nossa Lalá. Sorrindo agora no céu...

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Doentinha...

Hoje ando meio doentinha por conta dos excessos do post abaixo.O tal jantar preparado com tanto entusiasmo trouxe uma bruta indigestão.
Hoje me restrinjo a deixar essa canção.
Acho que amanhã vou postar um conto pequenino que tá aqui na cabeça,mas tô meio sem forças pra escrever.
Gosto dessa canção.

Adriana Calcanhoto- Vambora

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Entre panelas...


“Pois, desde os tempos imemoriais, as mulheres cozinham para os homens. O mundo do perigo, da loucura, fica para trás. As mulheres em suas cozinhas estão a salvo, eternamente.”

Li essa frase relendo um livro de Agatha Christie e imediatamente repeli achando estranho que o mundo de nós mulheres se restrinja à cozinha, logo classifiquei como uma frase “machista”. Só que hoje senti exatamente isso, uma segurança reconfortante dentro da minha cozinha.

Sempre adorei cozinhar, desde que não me sinta obrigada a tal hoje fazer o jantar a quatro mãos foi uma delícia. Eu e minha irmã mais nova revivemos nossa parceria e eu me senti muito bem nesse “ritual familiar”.

Quem diria meu conforto, minha segurança, meu bem-estar: tudo isso entre as quatro paredes da minha cozinha.

Isso me fez voltar a um blog que eu não visitava há tempos, da Rita Lobo do Panelinha. Ah, e ainda lembrei-me de um desses filmes água-com-açúcar que eu adoro ver e rever.

O dia chegou ao fim e fui salva pelas panelas...

Sem Reservas



quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Canção de ninar gente grande...

Canção de ninar gente grande

Quando a gente é pequena cantam pra gente dormir,

Mas quando a gente cresce também tem bicho papão.

E quando a noite chega e o sono não vem?

Quero um acalanto na noite de insônia,

Quero dormir com meu anjo,

Me guarda do medo da noite,

Quero sonhar com o céu,

Quando cantam pra gente dormir

Ah,como é bom,

O medo da noite se vai

E o sonho vem

"Dorme, dorme menininha
eu estou aqui
vá sonhar
ainda é tempo, menininha "

Oswaldo Montenegro em “Canção de Ninar Gente Pequena”

domingo, 25 de janeiro de 2009

Em tons pastéis


Hoje dancei como nunca

Espetáculo perfeito

Seus olhos estavam aqui

O maior aplauso que recebi

Senti você em mim

sábado, 24 de janeiro de 2009

Ventos quentes e poesia


Recebi esse recadinho por e-mail da minha amiga Auciliene Freitas me apresentando uma poetisa, Celina Ferreira, que ela conheceu através de um amigo. Singelos versos. Doces. Repletos de sinceridade. Uma delícia que saboreei na tarde quente de um domingo. Hoje republico porque a tarde está linda e eu ando especialmente assim:EU e me sentindo bem como numa manhã de maio (desculpe a "reprise").
Os versos dela que me foram apresentados são assim, puros, delicados. Sua tristeza, doce. Deixo para que leia hoje este poeminha que amo, por sua beleza, sua feminilidade, sua simplicidade. São versos melodiosos, singelos, bons para serem lidos em voz alta, devagar, saboreando bem as palavras. Dedico especialmente a minha amiga Ana Paula Motta (que, tenho certeza, adorará).” Aucilene

Ele me beija tão manso


Ele me beija tão manso
que eu penso tudo: cascatas
brotando dentro de mim.

Penso flores, penso musgo,
pedrinhas claras, redondas.
rolando dentro de mim.

Penso nuvens transparentes,
areias brancas, desertos,
mares longínquos de mim.

Ele me beija tão manso
que me perco no meu mundo
tão pequeno e tão sem fim
!

Celina Ferreira