quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Poema do vento

AdalorÁfricoAlísioAragemAura
Austro

BrisaCicloneEspiroEuroFuracão
Garbino
LariçoLestadaLevante
Mareiro
Mistral
MinuanoMonçãoNortadaOressa
Pampeiro
RafadaRajadaRedemoinho
Siroco
SobreventoSuestadaTerralTornado
Tramontana
TravessãoTufãoVendavalViraçãoXamal
Zoeira


Tudo isso é vento

É desassossego em mim

Poema originalmente postado em 17 de novembro de 2008



“Em sonhos sou igual ao moço de fretes e à costureira. Só me distingue deles o saber escrever. Sim, é um acto, uma realidade minha que me diferença deles. Na alma sou seu igual.”

Livro do Desassossego – Bernardo Soares (Fernando Pessoa)

2 comentários:

Bento disse...

Não há dúvida...a primavera se instalou de armas e bagagens na tua vida... o post é a mensagem de uma mulher apaixonada... e correspondida...
Beijos

Ana Paula Motta disse...

Beijos, apaixonados e correspondidos...